Tentar não espirrar é praticamente impossível e uma prática nada saudável. Sabia que um espirro pode atingir a velocidade de 160 km/h? Contê-lo pode causar graves problemas, devido à pressão, como a rutura dos tímpanos.

Mas afinal o que é o espirro? Trata-se de uma forma de as vias respiratórias expulsarem de modo involuntário uma qualquer substância estranha, como pólen, ácaros ou vírus.

O nariz é responsável pela limpeza do ar inalado, fazendo com que a maioria das impurezas fiquem no muco a digerir pelo estômago e neutralizando grande parte das potenciais causas de doença. É quando essas partículas irritam o nariz ou a garganta que ocorre o espirro. A irritação é detetada pelo músculo trigémeo, que envia um sinal ao cérebro, fazendo com que os músculos das costas e abdómen se contraiam e provoquem uma enorme saída de ar.

Alergias a poeiras ou pólen são das causas mais habituais dos espirros, a que se juntam as também comuns gripes e constipações. Mas esta reação pode ser ainda provocada por outras doenças virais, inalação de certos medicamentos ou ar frio e de traumas e leões nasais.

Todos espirramos uma vez por outra, mas quando se torna algo frequente impõe-se uma visita ao médico, sobretudo quando aparecem sintomas como febre, calafrios, dores generalizadas, tosse e secreção excessiva. Antes de consultar o profissional de saúde, tente perceber o que causa ou piora as crises de espirros. Evite mudanças bruscas de temperatura e mantenha a casa e local de trabalho livres de poeiras e bolores. Ter atenção à limpeza de ventiladores e ar condicionados é um dos passos para manter os espirros longe.

Já na consulta, não se esqueça de indicar todos os sintomas e há quanto tempo surgiram. Informe o médico de outras condições que tenha, da medicação ou suplementos que tome. Este poderá solicitar exames, prescrever medicamentos ou encaminhar para um especialista, sobretudo em caso de alergia persistente.