Estar na moda e elegante não tem de implicar sacrifício. E tal significa escolher a mala ideal. Será que a que usa todos os dias é mesmo o modelo adequado ao seu corpo? E não estará, sem necessidade, a carregar a casa às costas?

O mais comum é usar a mala ao ombro, e sobre aquele do lado dominante. Está desta forma a alterar a passada normal, impedindo o movimento desse braço e obrigando o outro a baloiçar mais.

O músculo mais afetado por este acessório será o trapézio, o que faz com que os da coluna tenham de compensar o peso. O resultado poderão ser espasmos do lado oposto ao sobrecarregado e ainda dores e leões na lombar, sacro e pescoço.

Esta tensão muscular é também, em alguns casos, responsável por dores de cabeça, que se estende da parte posterior do crânio à frontal.

Não, não precisa abdicar do estilo. Basta ter alguns cuidados.

  • Reduza o peso. Nunca carregue mais de 10 por cento do seu peso, o ideal será mesmo não passar dos 5 por cento. Tenha atenção ao conteúdo da mala, transporte apenas o indispensável e evite aquelas com tachas metálicas ou grandes fechos, que só acrescentam peso.
  • Prefira malas com alças largas para garantir a distribuição do peso por uma área maior. Estará a proteger o ombro, zona muito delicada e com grande potencial de lesão por excesso de peso.
  • Escolha malas com alças mais longas, que possa usar transversalmente ou com outras que deem para segurar na mão. Os seus ombros merecem um tempo de descanso.
  • Opte pela mala certa para o seu corpo. Uma curta de mais irá afetar o movimento do braço. O oposto vai interferir com o movimento das ancas ao andar.
  • Troque a mala de ombro com frequência de modo a equilibrar a carga e o desenvolvimento dos músculos.
  • Que tal uma mochila? O peso fica assim distribuído pelos dois ombros, mas esta não deve ficar mais de 10 cm abaixo da cintura para evitar a inclinação para a frente e consequente desgaste muscular.
  • Dê uma hipótese a uma mala mais pequena. Porventura nem precisa de uma tão volumosa e quanto menor for, menos coisas desnecessárias – e logo mais peso – terá de suportar.