Há quem pense que só os seniores as usam. E quem acredite que dificultam a fala e a alimentação. Apesar de comuns e excelentes aliados da saúde oral, as próteses dentárias são ainda umas ilustres desconhecidas até por quem está prestes a elas recorrer. Eis alguns mitos que vale a pena esquecer de uma vez por todas.

Destinam-se apenas a pessoas mais velhas
As próteses dentárias podem ser usadas por todos aqueles cujo desenvolvimento ósseo esteja concluído, o que ocorre por volta dos 18 anos. O recurso a dentes artificiais pode acontecer devido a traumatismos graves que levem à perda de um ou mais dentes, o que não escolhe idades.

Impedem comer e falar com normalidade
Usar prótese dentária não é sinónimo de deixar de saborear alguns alimentos ou falar como antes. É tudo uma questão de prática e habituação. Trincar este ou aquele alimento pode ser doloroso, mas apenas nos primeiros tempos. O mesmo sucede com a pronúncia de algumas palavras, que pode ter de ser treinada. Mas não desespere, com o correr das semanas, tudo voltará à normalidade.

Exigem uma mandíbula grande
As próteses dentárias são criadas à medida de quem as vai utilizar, depois de realizadas radiografias da mandíbula e da boca, não existindo assim duas iguais. Logo, ter um maxilar grande tanto em altura como em largura não é de todo imprescindível.

Podem causar doenças ou ser rejeitadas pelo organismo
As próteses dentárias são feitas de titânio, um material biocompatível, tolerável pelos tecidos e que não provoca reações por parte do sistema imunitário ou rejeição. O que pode suceder é uma inadequada ligação entre o osso e a superfície do implante.

Duram para sempre
É verdade que a duração das próteses dentárias é prolongada, mas isso não significa que sejam indestrutíveis. Há que cuidá-las com tanta atenção como aquela antes dedicada aos dentes. Diariamente e com produtos de limpeza adequados. Uma limpeza incorreta e mau uso podem prejudicar a sua aparência e causar alterações no ajuste.