Quando falamos de saúde oral, não é raro a preocupação se centrar sobretudo nos dentes. E as gengivas? Muitas pessoas ignoram aquele sangramento durante a escovagem e nem se preocupam com o mau sabor na boca. Erro!

Estes são dois dos sintomas da gengivite, condição que quando não tratada – ou melhor ainda, prevenida – a tempo pode trazer consequências graves para a saúde em geral.

A gengivite

A gengivite é a inflamação resultante da acumulação da placa bacteriana – composta por bactérias, saliva e restos alimentares –ao nível da margem da gengiva. Os sintomas incluem sangramento, espontâneo ou provocado por trauma mecânico, nomeadamente pela escovagem.

Este é muitas vezes acompanhado de vermelhidão e inchaço, bem como do recuo da própria gengiva, que confere aos dentes uma aparência alongada.

Há também quem experimente mau hálito frequente ou gosto mau na boca. Fique atento, porque quando não diagnosticada e tratada, a gengivite pode evoluir para a periodontite, doença incurável e com danos irreversíveis para os dentes.

Prevenção

Ter gengivas saudáveis está ao alcance de alguns gestos quotidianos bem simples e eficazes.

• Adote uma boa técnica de escovagem. Incline a escova num ângulo de 45º na direção da gengiva, para conseguir assim limpar o sulco gengival e realizar movimentos circulares.

• Prefira uma escova de dentes manual ou elétrica de cerdas suaves.

• Use o fio dentário uma vez ao dia para remover os restos de alimentos e a placa entre os dentes.

• Escolha um dentífrico anti-gengivite ou anti-placa com flúor para fortalecer os dentes e prevenir os danos das bactérias e da placa.

• Enxague, depois da escovagem, com um elixir antibacteriano para ajudar a combater a placa, a gengivite e o mau hálito.

• Faça numa alimentação saudável adequada para o maxilar e os dentes. A vitamina C - presente em frutos como a laranja e a meloa e em verdes como o bróculos e nos espinafres – é uma aliada. Não dispense também o cálcio, encontrado nos produtos lácteos. Mas neste caso prefira os com baixo teor de açúcar, uma vez que este fomenta as cáries.

• Não arranje desculpas e visite o dentista para uma revisão, de preferência semestral e um check-up oral pelo menos uma vez por ano.

• Evite fumar. O hábito diminui o oxigénio na corrente sanguínea, reduzindo o fluxo de sangue e nutrientes aos tecidos gengivais, e fomentando as infeções. Para além disso, torna mais difícil o diganóstico da doença gengival, uma vez que oculta sintomas, entre os quais o sangramento. Os cigarros ou outros produtos de tabaco desaceleram a cura, fazendo com que as gengivas nunca cheguem mesmo a sarar.