A sinusite é uma inflamação da mucosa dos seios da face, região do crânio formada por cavidades ósseas em torno do nariz, maçãs do rosto e olhos. Está, na grande parte dos casos, associada a um processo infecioso originado quer por vírus, bactérias ou fungos.

Tipos de sinusite

A sinusite pode ser abordada de acordo com a sua duração. É aguda quando dura entre uma e quatro semanas; sub-aguda, quando se estende das quatro semanas aos três meses e, por fim, crónica, no caso de ultrapassar os noventa dias. Já a abordagem menos simplista, defendem os especialistas, tem que ver com a funcionalidade da mucosa nasal e dos seios perinasais. Estaremos perante um episódio de sinusite aguda quando esta recupera em pouco tempo. Falamos de sinusite crónica no caso de estar definitivamente comprometida. O doente torna-se, pois, mais frágil e suscetível a sofrer de crises recorrentes de sinusite aguda.

Causas da sinusite

A rinossinusite pode ter variadas causas, mas todas partilham a falta de drenagem das secreções nasais, que ao se acumularem levam ao surgimento da infeção. Uma delas, e das mais frequentes, é a alergia respiratória. A inflamação origina o inchaço da mucosa, dificultando a drenagem dos seios perinasais. A infeção instala-se. Há que evitar a todo o custo agentes agressores como o pó doméstico, os pólenes e os pelos dos animais.

Podemos, porém, ter sinusites com diferentes origens, incluindo a gripe e outras viroses respiratórias. O tempo frio e húmido também será um fator de risco, uma vez que provoca inflamações na mucosa respiratória. Há ainda que ter atenção a traumatismos no nariz, sobretudo às mudanças brusca de pressão. Este é um conselho que não deverá esquecer se voar com frequência ou praticar mergulho.

A poluição atmosférica é mais um catalizador da sinusite, principalmente a causada pelo trânsito automóvel. Mas se nem sempre é possível abdicar do transporte, o mesmo não sucede com o tabaco. Prevenir a sinusite, eis mais uma razão válida para deixar de fumar. A má formação das cavidades nasais, nomeadamente os desvios do septo nasal, pode ser outra das causas desta doença.

Se mete o dedo no nariz, mesmo que às escondidas, saiba que para além de isso ser um gesto de gosto duvidoso, fomenta o transporte de microrganismos capazes de desencadear a sinusite. E já agora, não se esqueça dos lenços de papel e junte à sua rotina o hábito de se assoar.

Como se manifesta a sinusite

Pode dizer-se que a sinusite, também conhecida como rinossinusite, apresenta sintomas nem sempre claros. Uma sinusite pouco expressiva pode afetar e muito, enquanto outra mais extensa pode apresentar sinais que mal se dá por eles.

No entanto, os sintomas mais comuns incluem nariz entupido e secreções nasais espessas e com pus amarelo, verde ou castanho. A estes juntam-se dores de cabeça e/ou nos ossos da face e febre. Da lista fazem ainda parte mau hálito, perda do olfato, tosse devido ao escorrer das secreções do nariz pela faringe, dor de ouvidos e nos dentes do maxilar superior, bem como mal-estar e cansaço. Estes últimos sintomas, mais fortes nos episódios agudos, podem manter-se por bastante tempo em doentes crónicos.