Quem nunca se queimou a cozinhar ou com um detergente durante as limpezas? De forma geral, tratam-se de queimaduras de primeira grau, ou seja, aquelas que atingem a epiderme – superfície da pele – também conhecidas como queimaduras epidérmicas.

Em caso de acidente, e na maioria dos casos, basta seguir alguns passos sem precisar sequer de sair de casa. Eis, então, o que deve fazer.

  • Coloque a zona queimada sob água fria durante cerca de cinco minutos. Se se tratar de um dedo ou o pulso, será mais fácil fazê-lo no próprio lava-loiças ou lavatório. Mas se a área atingida for menos acessível, mergulhe-a num banho frio ou enrole-a em toalhas.
  • Avalie, sem demora o grau da queimadura. No caso de uma queimadura de primeiro grau, a zona ficará vermelha. Já nas de segundo grau, formam-se bolhas e nas mais graves de terceiro caem mesmo pedaços de pele. Nesta última situação, são necessários cuidados médicos imediatos.
  • Aplique um creme ou loção para proteger e regenerar a pele, ou com ação antibiótica.
  • As queimaduras de primeiro grau podem ser tratadas com o recurso a um curativo com gaze sobre a área atingida. Não use pensos rápidos, pois corre o risco de arrancar a pele queimada ao retirá-los. Mantenha o curativo um pouco solto para permitir a circulação do ar.
  • Se necessário, tome um analgésico para aliviar a dor e diminuir o inchaço.
  • Esqueça o gelo e a água gelada. Apesar de proporcionarem uma sensação de alívio, podem ambos danificar ainda mais a pele.
  • A manteiga é tradicionalmente usada nas queimaduras, mas na verdade retém o calor na zona atingida e pode provocar uma infeção.
  • Não estoure as bolhas, só estará a aumentar o risco de infeção.
  • Consulte o médico se a queimadura tiver mais de 5 centímetros, não se curar no espaço de 3 a 6 dias ou caso se localize na cara, zona das articulações ou genitais.