Todos acabamos, uma vez ou outra, por sofrer de stress. Trata-se da reação do organismo a algo que aconteceu ou está para acontecer, através de um mecanismo de adaptação ou reajuste que envolve uma série de efeitos, entre os quais a produção de determinadas hormonas.

Alguns acreditam que o stress pode ser benéfico para nos manter mais atentos e motivados, mas o certo é que é causador de muitos males, inclusive os cutâneos. Estes atingem sobretudo as mulheres entre os 20 e os 30 anos, que já ultrapassaram os choques hormonais da adolescência e ainda não foram atingidas com os sinais do envelhecimento.

Do cabelo oleoso à psoríase

Numa situação de stress, produzem-se elevados valores de cortisol, conhecida como a hormona do stress. As suas consequências incluem uma maior produção de sebo, cabelo e pele oleosos, dilatação dos poros, calvície em ambos os sexos e excesso de pilosidades nas mulheres.

O stress pode também desencadear ou agravar condições, como a acne, a rosácea, o vitiligo e outras alterações da pigmentação, a dermite seborreica e a psoríase. Para além disso, enfraquece a barreira cutânea, levando à desidratação e desprotegendo a pele de agentes irritantes, alergénios ou infeciosos.

Se faz de tudo para combater as indesejadas rugas, saiba que estas podem ser agravadas pelo stress, devido à quebra da oxigenação e nutrição da pele.

O stress interfere ainda com o sono, afetando o crescimento e reparação das células, que é mais eficaz durante uma noite descansada. E quem nunca deixou de lado os cuidados da pele quando stressado? É uma situação comum, a que se junta o aumento da propensão a hábitos como roer as unhas passíveis de levar ao aparecimento ou agravamento de dermatoses.

Como se não bastasse, quando stressados muitos tendem a exceder-se à mesa, abusar do álcool e a não largar o cigarro, hábitos que prejudicam e muito a pele.

Cuidados a ter

Antes de mais, é fundamental conhecer o tipo de pele para usar os produtos adequados. Seguir apenas a publicidade ou as pisadas de alguém a quem um creme fez maravilhas não são o melhor caminho. Nada como consultar o dermatologista e aconselhar-se. Uma visita ao especialista é também indispensável quando surge ou se agrava uma determinada condição. Casos há em que terá mesmo de ser necessário recorrer a análises e testes, entre os quais uma avaliação hormonal.

Hábitos de limpeza e hidratação, aliados a um antirrugas são, de modo geral, suficientes. Mas em situações complicadas, é comum recorrer-se a esfoliações e às abrasões químicas superficiais, conhecidas como peelings.