Adormecer ao sol, expor-se aos raios ultravioleta em horas proibidas ou esquecer a proteção. Muitos são os fatores que podem provocar o eritema solar, que todos conhecemos como o tantas vezes insuportável escaldão.

Para além de incomodativa, esta queimadura solar de gravidade variável, fica gravada na memória da pele, favorecendo o envelhecimento precoce e o aparecimento de doenças graves como o cancro cutâneo.

Eis o que deve fazer quando já não vai a tempo de prevenir.

  • Saia do sol, logo que sentir os primeiros sintomas do escaldão: pele vermelha e dolorida, ador ou coceira.
  • Retire a roupa que cobrir a zona afetada, desde que não tenha aderido. Faça o mesmo com acessórios que acumulem calor, como cintos e outros em metal ou couro.
  • Arrefeça sem demora a área do escaldão com água fria da torneira durante alguns minutos.
  • Controle a dor e o edema, com a ajuda de compressas humedecidas em água fria.
  • Use um creme ou loção para hidratar a zona atingida. Produtos com perfume são desaconselhados devido ao risco de irritações.
  • Vista roupa larga, leve e fresca, de um material confortável que não irrite.
  • Proteja a pele escaldada com gaze estéril ou um pano frio, húmido e limpo
  • Tome um analgésico ou anti-inflamatório para controlar a dor e combater a inflamação
  • Beba muita água para repor a hidratação do organismo
  • Fique atento às reações da pele. Em caso de suspeita de infeção, dirija-se ao hospital mais próximo.