Nada como um dia ensolarado para nos deixar bem-dispostos. Uma pele bronzeada é um padrão de beleza generalizado. E claro que a exposição solar é ainda fundamental para a formação de vitamina D. As vantagens do sol são inúmeras, mas há que ter em conta o reverso da medalha. Uma exposição excessiva e desregrada pode causar danos irreversíveis à pele, e não só.

Queimaduras solares

A maioria das pessoas já passou por aquilo a que se costuma chamar de escaldão. Desconfortável, inestético e doloroso, poderá acarretar danos severos à pele e aumentar mesmo o risco do melanoma, o mais grave cancro cutâneo.

Golpe de calor ou insolação

Quando a cabeça é exposta em demasia ao sol, o organismo reage de diversas formas. Entre os sintomas mais comuns estão náuseas, vómitos, cefaleias e alteração das fibras musculares. Em casos mais graves, podem mesmo surgir convulsões. E atenção, que nem só o sol provoca o golpe de calor, o mesmo pode suceder quando se combinam temperaturas elevadas, muita humidade e pouca ventilação.

Envelhecimento prematuro da pele

Manter uma pele jovem implica não abusar do sol. Sabia que 90 por cento dos sintomas de envelhecimento cutâneo têm origem na exposição solar? Aproveite o sol, mas com moderação e cuidado, ou arrisca-se a sofrer os danos provocados pelos raios UVA, que acabam por deteriorar o colagénio e a elastina, provocando manchas, rugas e flacidez.

Enfraquecimento do sistema imunitário

É certo que o sol reforça as defesas do organismo. Mas o contrário acontece, quando a exposição é demasiada, sobretudo no que toca à pele.

Problemas oculares

Pense duas vezes antes de se esquecer dos óculos de sol ou de comprar um modelo sem filtros adequados. Expor a retina à luz solar forte pode causar malefícios graves e aumentar em quatro vezes a possibilidade de cataratas.

Desfrute do sol, mas não se esqueça de alguns cuidados essenciais