É comum os adeptos do running serem afetados por uma reação inflamatória em resposta a pequenas lesões musculares ou ao nível dos tendões.

Trata-se da chamada sensação retardada de desconforto/dor muscular (SRDM), que surge entre 12 a 24 horas após o treino, que se manifesta em uma forte dor localizada e na dificuldade de movimento da zona atingida.

Mais vale prevenir

Certos alimentos podem favorecer a recuperação dos tecidos, aliviando ou prevenindo a inflamação. Assim, se tem a corrida entre os seus hábitos, privilegie uma dieta rica em ómega 3, nutriente que encontra nos peixes azuis - atum, sardinha, cavala, salmão e anchova – e nos frutos secos, como a amêndoa, noz, amendoim, pinhão e o pistáchio.

A vitamina C presente, por exemplo, nos citrinos, é outra aliada.

E como não há duas sem três, opte ainda por fontes de vitamina E, entre os quais o leite, os flocos de trigo, os brócolos ou a banana.

Carboidratos e água

Lembre-se que os alimentos serão o seu combustível enquanto corredor. Prefira uma refeição leve duas horas antes do exercício e aposte nos carboidratos complexos, como as massas.

Beba água antes, durante e depois da corrida. Mas não abuse. Em excesso, a água pode ser causadora de cãibras musculares. Ingira entre 300 e 500 ml antes de correr.

Esqueça os copos com os amigos no dia anterior ao running. O álcool tem efeitos nefastos nas funções metabólicas e fisiológicas vitais para o desempenho físico, influenciando a absorção e uso dos carboidratos, o consumo de oxigénio e o rendimento cardíaco.