As horas passadas à secretária são as grandes responsáveis pelas condições musculares e de coluna. A postura nem sempre é tida em conta, o mesmo acontecendo com o próprio mobiliário. Eis alguns truques para fazer da cadeira uma auxiliar de trabalho e não uma inimiga da sua saúde.

Altura

Há, desde logo, que pensar na altura. Faça-o de pé, ajustando a cadeira de modo a que a parte superior do assento fique um pouco abaixo da rótula, permitindo que os pés assentem totalmente no chão. Caso sinta pressão nas costas, levante ligeiramente a cadeira. Se tiver essa sensação no que toca a parte anterior do assento, baixe-a também de forma moderada. A ideia é distribuir o peso de modo equilibrado.

Apoio de costas

Dê, em seguida, atenção ao apoio de costas. Sentado, ajuste a altura deste de forma a adaptar o apoio lombar à curvatura natural da coluna. A inclinação recomendada é de 110º e deverá permitir que se recline ligeiramente.

Assento

Há ainda que ter cuidado com o assento, que deve ter a inclinação ajustada para proporcionar conforto; recomenda-se uma de 5º. Quanto à profundidade, este terá de permitir o uso do apoio lombar sem que a parte anterior exerça pressão na parte posterior dos joelhos. Caso a cadeira não tenha ajuste de profundidade, reduza a profundidade usando um rolo para apoio lombar.

A largura, por seu turno, deverá ser suficiente para diminuir a pressão nas coxas e garantir o alcance dos apoios de braços.

Apoio de braços

Esta zona da cadeira deverá diminuir a tensão nos ombros e nas costas, mas sem impedir os movimentos ou a aproximação à secretária. Algumas cadeiras permitem o ajuste do apoio de braços, caso contrário remova-os ou substitua-os por outros com essa opção.

Apoios de braços muito altos fazem com que encolhamos os ombros, provocando desconforto. O inverso causa depressão nos ombros, afetando a postura das costas e pescoço. O ideal é estarem à altura dos cotovelos.