Os dias tornam-se maiores e ensolarados. As plantas florescem. O cenário primaveril é realmente fantástico. Mas traz, para alguns, a contrariedade da alergia ao pólen.

É, de forma geral, entre março e julho que as plantas produzem o pólen, grãos pequenos e leves que transportados pelo vento e pelos insetos podem entrar no aparelho respiratório e tornar a primavera uma estação menos convidativa a quem a eles for alérgico.

As causas mais frequentes em Portugal

Os principais culpados pela alergia ao polén no território nacional são os fenos, que começam a polinizar no início da primavera e atingem o auge entre maio e junho. Merecedora de destaque é ainda a erva daninha parietária, cuja polinização ocorre na primavera, repetindo-se em algumas regiões no arranque do outono. Quanto às árvores, o polén mais alergénico será o da oliveira. Já o menos prejudicial, contra a crença de muitos, é o do pinheiro.
Sintomas

As consequências desta alergia numa pessoa sensível são das mais variadas. Falamos, por exemplo, da rinite alérgica, que se traduz por espirros, nariz com comichão, entupido ou com pingo e irritação na garganta. A esta condição junta-se a conjuntivite alérgica, com ardor e lacrimejo dos olhos. Há ainda a salientar a asma polínica, que se manifesta através de tosse, dificuldade em respirar e sensação de aperto no peito. Eczema e urticária – com comichão na pele, por vezes acompanhada de manchas vermelhas e bolhas com líquido – fazem também parte da lista.

Prevenção

Se tem algum dos sintomas e suspeita ser alérgico, consulte um alergologista, que através de testes específicos lhe indicará os pólenes a evitar.. É possível fazê-lo por dia e região através do Boletim Polínico disponível no site da Sociedade Portuguesa de Alergologia.

Não pratique atividades ao ar livre em dias quentes e ventosos, uma vez que estes são propícios à disseminação do pólen. É aconselhada a muda de vestuário e um banho com lavagem de cabeça ao final do dia. A roupa não deve ser seca ao ar livre para evitar que os grãos se fixem. A casa deve estar bem limpa, com especial atenção a tapetes, alcatifas, almofadas e peluches. Mantenha as portas e janelas fechadas nas alturas mais críticas, para deixar o pólen lá fora.

Outra dica bem simples é usar óculos de sol, evitando assim o contacto dos olhos com os grãos das plantas trazidas pelo vento.

O exercício físico regular e moderado ajuda a prevenir alergias. Mas é preciso ter alguns cuidados durante a primavera. Esqueça os jardins urbanos e o período da manhã. A praia, um local fechado e o final do dia são opções mais acertadas. Fumar é mau em qualquer circunstância, e numa crise alérgica pode dificultar a atividade dos pulmões e interferir com a ação dos medicamentos, sobretudo dos anti-inflamatórios para a asma.